sábado, 14 de junho de 2008

Heróis e Vilões...

Disse, certa feita, que uma das coisas que gosto, nos torneios e campeonatos, tem relação direta com a queda dos técnicos! Alguém pode até, usando de um argumento freudiano, afirmar que no fundo no fundo, devo ser um técnico frustrado, isso pode ser reforçado, mais ainda, porque sou professor de Educação Física! Não, isso não passa de pura elucubração psicanalítica, mas é que as "lógicas" utilizadas, pelos "professores", para confirmar as vitórias e justificar as derrotas são as mais furadas possíveis! As justificativas vão desde a mais pura superstição até o mais estúpido absurdo! Quando as vitórias vêm, superstições e absurdos se solidificam, tornam-se verdades quase absolutas!
.
O fato é que nada como um dia após o outro para que o herói esportivo se torne um grande vilão! Na última quarta-feira, decisão da Copa do Brasil 2008, tivemos confirmada a tese de que o papel representado pelo técnico de futebol no resultado das partidas é muito pequeno, ou seja, ele não passa de mero coadjuvante! Se estímulo "psicológico" e auto-ajuda ganhassem jogo, Lair Ribeiro seria o maior técnico de futebol do mundo. Nelsinho Baptista, hoje técnico do Sport Recife, era o comandante do time do Corinthians que foi rebaixado para a segunda divisão em 2007. O curioso é que quando foi chamado para não permitir que o "timão" caísse, havia sido demitido da Ponte Preta, time que naquela oportunidade disputava a "segundona", chegara dizendo que sua estrela não permitiria que o Corinthians fosse rebaixado. Bem, o resultado dessa história todo mundo já conhece, a tal estrela não brilhou e o nosso "vilão" foi demitido como aquele que levara o "timão à segunda divisão, pela primeira vez na História! No entanto, por ironia dos deuses futebolísticos, se tornou o grande carrasco do timão e herói do Sport ao ganhar a Copa do Brasil, vencendo nada mais, nada menos que Wanderley Luxemburgo, Abel Braga, Antonio Lopes e Mano Menezes; neste momento, deve estar se achando um técnico brilhante, embora se atentarmos para os nomes dos professores derrotados, veremos que temos uma curva descendente!
.
No sentido de trazer o Corinthians para a primeira divisão do futebol brasileiro, contrataram Mano Menezes, ganhador de duas "grandes" competições: a segunda divisão e o gauchão! Na verdade, o que chamou atenção no seu currículo era o fato de ter levado o Grêmio à primeira divisão! O que ninguém falou é que depois da tal batalha dos aflitos, fato que a mídia não deixou de exaltar, ele perdera a chance de tornar o time gaúcho campeão da Libertadores, por um motivo bem simples, é um técnico covarde! No último desastre, o da Ilha do Retiro, Mano Menezes confirmou que não passa de um técnico medíocre e medroso, além de não proteger seus comandados, fragilizados depois da derrota contra o Sport, "carimbando" quem eram os culpados! Lembro-me que numa partida do "timão" no campeonato paulista, ele por saber que um dos jogadores adversários atropelou e matou uma pessoa, chamou o atleta de assassino para desestabilizá-lo! Por que estou dizendo isso? Só uma pessoa covarde como ele usaria de um expediente tão abjeto como esse! Sua última grande façanha foi tornar o goleiro carioca Felipe e o meia Welington Saci os culpados pela derrota na Copa do Brasil, ao afastá-los da partida contra o Brasiliense! É preciso que seja dito: Felipe queria jogar! Se houve um culpado pela perda do torneio, ele não se chama Felipe. Todo mundo viu que o treinador armou o time defensivamente, com medo do time do Sport, que não passa de um time mediano! É bem provável que consiga levar o Corinthians à primeira divisão, não por competência e sim porque a "segundona" é uma terra de cegos e em terra de cegos, quem tem um Mano Menezes é rei...

Um comentário:

Manuela Cássia disse...

Precisamos adicionar a este post, o professor Renato gaúcho, que falou, falou, falou e morreu na LDU!!!!!!!!!! Afirmou que a libertadores já estava ganha e que iria brincar no brasileiro. E agora professor renato gaúcho??????? Vai continuar a brincadeira????
kkkkkkkkkkkkkkkkk