sábado, 1 de novembro de 2008

Ironia do consumo...

Como estamos, a cada dia, mais submetidos aos "avanços" tecnológicos, e as novidades, neste mundo do descartável, acontecem a cada milionésimo de segundo, é muito difícil para aqueles que ganham míseros trocados acompanhar essa rota desenfreada, cujo desejo é TER o mais novo lançamento! Contudo os diversos anúncios midiáticos não estabelecem quaisquer limites, querer é poder. As imagens dão a idéia de que aquilo que está sendo oferecido está acessível a qualquer pessoa, nada de novo, afinal, é essa a lógica do sistema! Aquele fusca metido a besta (new beetle) pode ser seu por apenas cinquenta e nove mil e quinhentos e noventa reais! "Você tem fome de quê? ... Necessidade e vontade, necessidade e desejo", diziam os Titãs! No momento, em que esses caracteres são alinhavados, é bem provável que alguma nova "geringonça" tenha sido adicionada àquele tipo de artefato tecnológico desejado por dez entre dez pessoas! "Você já viu o novo modelo de celular da ericnoLGradisungmotokia que foi lançado?"
.
Estou falando de tudo isso porque, aqui na Montanha Gelada, aconteceu um fato, mostrado na tv, que ilustra muito bem o que é desejo e vontade de ter, sem poder, e as estratégias possíveis para se conseguir o que se deseja, não importando os meios! Uma cliente deixou seu celular, top de linha, sobre o balcão de uma loja, enquanto conversava com o vendedor. Vejam só, aquele sonho de consumo, solitário, estava pedindo para dar um passeio, pelo menos foi o que pensou o sujeito, “agente” como se diz em Direito Penal! Ele, sem nenhum medo ou constrangimento, pegou o celular e saiu correndo desesperadamente! Não vou negar que fiquei surpreso com aquela ação porque não via nenhuma possibilidade de sucesso. Policiais que faziam a ronda habitual conseguiram pegar o indivíduo poucos metros à frente. Mas, para surpresa deles, o celular tinha desaparecido! Como isso pôde acontecer? Ele não tivera tempo suficiente para entregá-lo a alguém. Contudo, sem nenhuma violação dos direitos humanos, pelo menos foi o que disseram os agentes da lei, o cidadão confessou livremente onde escondera o celular! A proprietária ao saber que fora colocado no ânus do sujeito, mandou jogá-lo no lixo! Ironia do consumo. O celular deixara de ter valor de troca, agora valia tanto quanto o "ladrão" que o roubou...

2 comentários:

Lusimary disse...

Amei o nome da "empresa" que você criou!
Ah! Passei por aqui, viu?
Beijos

wager matias disse...

Poxa prof. estava conversando esta semana com os estudantes do segundo ano sobre isso. Um dos pontos elencados para o aumento da violência por eles foi justamente o consumismo presente na atual sociedade, incentivado principalmente pela mídia. As pessoas são bombardeadas com estímulos consumistas mas não podem ter logo, só resta o furto e outras ações deste tipo. Abraço.