segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Reminiscências...

Quando criança queria ser mecânico, meu irmão, petroleiro! Mas todos queriam. Só se falava nisso, quase todos queriam ser. Não sei por que mecânico, quando grande nem sequer aprendera a dirigir, nem tinha paciência, existem mecânicos que não dirigem?! Meu irmão ficava chato quando voltava da casa da madrinha dele, queria usar os brinquedos às avessas, a vida girava ao contrário. Tudo gravitava em torno dele. Tínhamos um balanço que não era para balançar, mas ele era o caçula! Minha mãe justificava: "ele é muito pequeno!" Mas era tirânico como todos os caçulas! Minha irmã entre dois irmãos, como devia ser desafiadora a sua vida! O pai queria menino, a mãe era cúmplice! O pai é significativo na vida do menino! A praia ou lagoa? Não lembro, sei que o pai flutuava na vertical, com o calção vermelho, como ele conseguia com os dois nos braços? O pai sempre levava os meninos para passear, era uma aventura em cada lugar que íamos, a irmã sempre ficava, ser a filha mulher nunca foi bom negócio, nem aqui nem na China! Onde está minha mãe? Espera que daqui a pouco ela chega. Não chegou! Chovia na sua volta! Ela estava com um capote rosa! Na casa de minha avó. Onde está minha mãe? Era muito cedo. Todos deviam estar dormindo naquele domingo, ou fingiam? Os três na marinete, eu sem saber direito do que se tratava, indo ao encontro de outro futuro, ônibus era marinete e era azul e branco! Separação sempre deixa ressentimento. O pai foi buscar! Uma confusão danada, um escândalo naquela tarde de domingo, todos falavam ao mesmo tempo. Uma promessa fora feita, promessa que jamais fora cumprida. Depois do carnaval eles vão! Nunca fomos! Ele se ressentiu para todo o sempre! Filhos ficam entre dois fogos! Alguém vira refém! Separações sempre deixam ressentimentos! Ficamos um tempo longe, mas voltamos ao seu convívio, aos treze anos, só os filhos homens! Madrasta e filhos/irmãos, irmãos? Madrasta é sempre madrasta? Não fora assim com Machado de Assis! Veio a adolescência e os pelos cresceram lá embaixo, isso é normal? Eliana foi?/era? minha namorada! Namorada primeira foi Vera. Linda como uma noite de estrelas. Não, primeirona mesmo, de verdade, foi Maria! Parecia mais velha, mas era mais nova do que eu! O primeiro beijo de língua foi ela quem me deu! "Você não sabe beijar! Chupe minha língua como se fosse uma bala" As meninas sempre são mais espertas do que os meninos! Meninas se movimentam a 360º graus! Primeira transa, tenho vergonha de contar, a segunda também, quando será que vou aprender? Vá até o fim, disse Lorito! Vitória, também é meu time do coração! Depois daquela, não parei mais! Esse menino está emagrecendo, não? Ah, os excessos da meninice!Tornei-me homem filho do menino! Depois outros amores vieram, os filhos nasceram, os anos passaram, a madureza chegou e com os ela os tons cinzas dos pelos! Aqui, neste lugar, nesta hora, longe de casa, os olhos da memória trazem à tona essas imagens antigas do menino encharcadas de recordações que o fazem chorar...

5 comentários:

Lusimary disse...

É, o texto estava pronto! E a gente vai no embalo, reconhecendo o que foi conversado, o caminho trilhado...Recordações, saudades, tempos idos, não voltam e ainda nos emocionam!

wager matias disse...

Belas recordações que mais uma vez mexe com esse carinha aqui q emocionado relembra tbm o seu passado e ver o quanto é importante viver cada momento... grande abraço meu amigo.

Manoel Gomes disse...

Amigo Wagner, certas coisas, para mim, funcionam como catarse, uma forma encontrada para me livrar dos meus fantasmas, que não são poucos; fica melhor ainda quando aparece alguém que percebe alguma semelhança com a sua própria história, isso prova que somos filhos do universo, ainda que, em alguns momentos, esse encontro se dê pelo sentimento da dor...fraternos abraços, meu camarada, bom revê-lo!!

Manoel Gomes disse...

Mary, é isso...

jonatan disse...

AINDA FALTA EU TE CONTAR MINHA HISTÓRIA...ESSA A TERCEIRA VEZ QUE RECONHEÇO SUA HISTÓRIA DE VIDA, É UMA LIÇÃO!
É DE EXPIRAR!