sábado, 29 de dezembro de 2007

Cássia Eller...

É bem provável que muita gente tenha "descoberto" Cássia Eller por causa daquela canção do Poeta Russo intitulada "Por Enquanto" que é, na realidade, um verdadeiro hino de exaltação à sensibilidade. Neste caso, ela deu um "tom" todo especial, coisa que o próprio autor, reiteradas vezes, reconheceu. Gostava de ouvi-la na voz da Cássia! A dura realidade é que sofri de maneira idêntica com o desaparecimento dela e do Renato Russo. As pancadas foram muito parecidas! A dor indescritível, a perda inigualável! Tinha uma amiga que costumava me ligar em horas incomuns, por isso, a apelidei de "má notícia", isso porque trazia esse de tipo de informação de forma recorrente! Naquela noite, quando soube quem era, ao telefone, perguntei, em tom de brincadeira: "quem morreu dessa vez?" A resposta todos sabemos, foi como um murro na boca do estômago! Era 29 de dezembro de 2001, às 19h05, naquele momento, o coração de Cássia Eller deixara de bater definitivamente, porém seu desaparecimento era apenas físico, a mulher que cantava visceralmente, cujo canto saía das entranhas, e por isso, tornava-se único e belíssimo, agora não mais cantaria! A mulher de tantas faces, "quem sabe ainda uma garotinha" fora do palco, mas absolutamente senhora dele quando lá estava, silenciava-se para sempre, mas 'o pra sempre, sempre acaba'!
.
Aconteceu algo imperdoável! Perdi o último show que ela fez na terra de Waly Solomão. Lembrar de Cássia, neste momento, não tem como objetivo escrever um necrológio, muito pelo contrário! Falar de Cássia é falar de vida pulsando em cada artéria! Devo dizer que, mesmo sem sua presença física, seus sons continuam ecoando dos tocadores de música espalhados pelos diversos rincões! Ela está presente tanto nas telinhas, como também nos espaços sofisticados que valorizam sua forma única de cantar! O que almejo, ao recordar essa trajetória cheia de beleza e ternura, é mostrar que "mudaram as estações", mas ela continua aqui, intacta, vibrante, cantando como nunca! Não, nada de choro, vamos comemorar, sim, vamos celebrar, não a perda, que esta é irreparável, mas sim a felicidade de mesmo tendo deixado de existir, ela continua cada vez mais Viva! Lembro-me de uma frase pronunciada pela Nana Caymmi, a despeito da sua interpretação da música "Por Enquanto", dissera Nana: "alguém tem que avisar pra essa menina que ela tem que ter cuidado com a voz!" Havia ali uma sinalização de que o canto de Cássia era cru, precisava ser lapidado, e alguém do alto da sua sapiência, estava querendo dizer isso para ela, já que de canto Nana entendia, portanto que Cássia a ouvisse, sob pena de deixar de cantar muito antes pelo uso indevido da voz. O que sabemos é que não foi por não ouvir os conselhos que seu canto sumiu no horizonte, não foi isso que a tirou de nós, Por Enquanto...
Mudaram as estações
nada mudou
Mas eu sei que alguma coisa aconteceu
Tá tudo assim, tão diferente
Se lembra quando a gente
chegou um dia a acreditar
Que tudo era pra sempre
sem saber
que o pra sempre
sempre acaba
Mas nada vai conseguir mudar
o que ficou
Quando penso em alguém
só penso em você
E aí, então, estamos bem
Mesmo com tantos motivos
pra deixar tudo como está
Nem desistir, nem tentar,
agora tanto faz...
Estamos indo de volta pra casa
Mudaram as estações,
nada mudou
Mas eu sei que alguma coisa aconteceu
Tá tudo assim, tão diferente
Se lembra quando a gente
chegou um dia a acreditar
Que tudo era pra sempre
sem saber
que o pra sempre
sempre acaba
Mas nada vai conseguir mudar
o que ficou
Quando eu penso em alguém
só penso em você
E aí, então, estamos bem
Mesmo com tantos motivos
pra deixar tudo como está
Nem desistir, nem tentar,
agora tanto faz...
estamos indo de volta pra casa...

5 comentários:

Manuela Cassia Silveira disse...

Me arrepiei completamente. Tanto, que precisei ligar o som pra escutar por enquanto novamente. Ai vieram os primeiros acordes do violão, e ela começou a contar. Como vc memsmo disse, com aquela voz crua, inebriante, que quando cantava não havia como não se emocionar. Lembro bem do dia que recebi a notícia, estava em Barreiras, e fiquei tão triste que um rapaz riu e me disse que parecia que ela era da minha família. Mas ela era, ora pois! Era Cássia Eller, a eterna garotinha. Só quem apreciava seu canto, poderia saber o que eu estava sentindo...

Manoel Gomes disse...

Rapaz, lindo o que você escreveu! É por essa e outras que vale à pena ter este espaço! Saber que as coisas belas,como o canto da Cássia, estão perto de nós, e que tenho uma pessoa que consegue perceber essas nuances de forma tão pura e sensível me faz agradecer de novo por ter renascido e ouvir você falar de tão perto, obrigado, Manuela Cássia, você continua sendo a minha paixão!

Danym disse...

Bom Dia
Estava procurando na internet fotos da nossa querida Cassia e descobrir seu blog,adorei o que você escreveu, gotaria de usar algumas palavras no meu orkut sobre a Cassia pois amo a música "Por Enquanto " você poderia deixar?

Obrigada

Manoel Gomes disse...

Danym, fique à vontade, sinta-se em casa...

Anônimo disse...

intiresno muito, obrigado