segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

Que país é esse...

A frase "O Brasil é um país de contrastes" se transformou num lugar comum dos mais recorrentes. A cada dia, mais e mais coisas acontecem para reforçá-la! Todo mundo deve estar lembrado, não faz tanto tempo assim, que Paulo Pereira da Costa, o Paulinho da Força Sindical, deputado federal pelo PDT, fora acusado de nada menos que: fraude na Ong Meu Guri, administrada por sua esposa, suspeição de desvio de recurso do BNDES e mais algumas coisinhas que o desabonam! Foram apresentadas escutas telefônicas que o incriminavam sobremaneira. Depois de uma série de negativas, parece que não se decidiu ainda se ele é culpado ou inocente. Quando se trata de julgamento de deputado por deputados, geralmente, no final, tudo acaba bem, se não acabou bem é porque ainda não acabou!
.
Parece que a ponta do iceberg, dessa crise que está assustando a todos, é a maior depois da quebradeira de1929, na verdade, viver sob a égide do capitalismo, é viver sob crises constantes! Uma famosa frase do Manifesto Comunista, publicado no século XIX, flutua sobre as cabeças do século XXI: "um fantasma ronda a Europa, o fantasma do comunismo." Se fizermos uma paráfrase, ela bem que poderia ficar assim: "o fantasma do manifesto ronda o mundo globalizado!" Com os elementos que possuímos, hoje, percebe-se que as condições objetivas estão dadas, as quebradeiras e falências confirmam a hipótese. Some-se a isso, as numerosas demissões que estão varrendo o mundo. Para se ter uma idéia, na terra do Tio Sam, são 30 mil diárias! Neste momento, quem for trabalhador está sob o cutelo do desemprego! O exemplo das montadoras é emblemático: vêm impondo ao Estado ultimatos quotidianos, ou o governo as socorre ou as demissões vão se agudizar! Está posto, não dividimos os lucros, como sempre esses são de alguém, mas os prejuízos são de todos nós!
.
O sindicato foi forjado para defender os direitos dos trabalhadores. Sua tarefa precípua é ser um espaço de organização política. Deve ser o instrumento, a arma para a defesa do coletivo, para além das meras negociações salariais. O tempo passou e as vulnerabilidades dos sindicatos vieram à tona. De certa maneira, se os sindicatos fossem considerados o pai dos trabalhadores, pode-se dizer que esses estão órfãos, já que não encontram respaldo nestas instituições. Neste teatro de vampiros, temos um ministro do Trabalho Bufão, Carlos Lupi, também chegado a ameaças. Resolveu "proteger" os trabalhadores contra as demissões arbitrárias! Numa das suas aparições televisivas foi taxativo: "ou param as demissões ou o governo vai rever a liberação de recursos para quem estiver descumprindo os acordos." Um super herói! O presidente da toda poderosa FIESP, Paulo Skaf, replicou imediatamente, exigindo que o ministro mostrasse as empresas que estavam se beneficiando dos tais recursos alardeados por ele. Surpreendentemente, o Bufão não quis treplicar!
.
O mais interessante desse acontecimento é que na mesa em que Paulo Skaf colocou em xeque o ministro estava ninguém menos que o outro Paulo, o da Força Sindical! Ora, vocês diriam, mas esse indivíduo não é suspeito de corrupção? De desvios de recursos? Como pode estar na condição de mediador? Na realidade, fiquei na dúvida, já não sei se ele é deputado federal ou presidente da força sindical! O interessante é que, além de tudo o que existe sobre sua conduta, ainda tem proposta para evitar as perdas de empregos. Sugere a redução de salários em até 15%, para que não haja demissões!? Corte na jornada de trabalho de 25%!?. Ou seja, no momento em que o sistema vai mal das pernas, em que todas as condições apontam para um favorecimento das condições subjetivas, vem um sujeito (um não, uns), propor mais sacrifício para a classe trabalhadora, de novo, são os trabalhadores que vão ajudar a pagar a conta?! Outro sindicalista(sic) sugeriu uma greve para que houvesse readmissão daqueles que perderam seus empregos!? Esses caras estão de brincadeira, isso é tudo o que os empresários desejam! Mas como bem sabemos, os "sindicalistas", desse tipo, fizeram-se profissionais, querem tudo menos voltar a trabalhar, embora defendam o emprego com unhas e dentes! Na realidade, esses indivíduos são uns verdadeiros parasitas que vivem às custas daqueles que, neste momento, estão na iminência da perda do emprego! Enquanto isso, seus representantes fazem uma série de discursos falaciosos, tentando garantir os empregos deles, afinal, nada como continuar mamando nas tetas "sindicais", sem gastar uma gota sequer de suor, Renato Russo está (muitíssimo) vivo!...

3 comentários:

Anônimo disse...

Viva Renato Russo!!!! Cheio de verdades, mesmo longe!

Lauro Xavier Neto disse...

Eu já estava com saudades!!! Sempre disse que Renato não morreu, estão vendo? Mano temos que agir, as mudanças não caem de maduras - teu blog faz parte deste processo de indignação e transformação! Salve camarada!

Lusimary disse...

Pensei ter postado o segundo, me identificando! Me enganei! kkkkkkkk Agora, sim! Anônimo com nome! Beijos